quinta-feira, 4 de fevereiro de 2010

sonambulando

Sonambulo
Pisando cacos modernos

Pu

Ta

Ria de mim

E disseram que era apenas metal


Em gemidos constantes
Os cálices tilintam
Sem dizer nome algum

Mas não pense
Ana
E não espere
Mamãe
De quem louva só o tinto ao lado
(Mesmo diante da queda?)

Porque o copo
Cai
Que
bra

...

Entre colchões e amarras
Não darei presente
Esse inútil instante
Apenas tirarei o laço
Das lembranças
P e d a ç o s

Nenhum comentário:

Postar um comentário