segunda-feira, 29 de março de 2010

Pernas morenas

Nem o bolero de Batatinha
Ou sensibilidade de Rita

Admiro pedras e formigas e beijos de Amelie

Escrevo a carta ridícula de amor, Fernando
... Não quero pessoa ridícula

Inicio com o pedido de três anos
Mas não sei "crianças não namoram"

O travesseiro de ontem era de penas de ganso...

Meu sono foi Alice quem conduziu
Levou-me à terra sem nome
Id e Ego já eram príncipes encantados
E em fumaças as pernas e as nádegas
Embora distantes
Eram torradas distraidamente

Café?
Meu sonho que é só café sossegado em tarde de Parque Flamboyant
E quentes são pernas morenas de bicicletas
Mas foi ego que acordou sonhando id
E escreveu a primeira linha desse filho do acaso
As linhas finais não foram traçadas
Mas as fumaças em breve serão dispersas em terra distante
Sem reticências, sem por quê

Porque ontem meus pés sonharam fumaças
Talvez por isso
Hoje seja só quente com pancadas de chuvas à tarde

Nenhum comentário:

Postar um comentário