segunda-feira, 19 de abril de 2010

poética de tolo

poética de tolo


nietzdamente via agora
vou derretindo o devir

pré-homérico é mourão que separa mar
e não há nada mais antigo
que susana em elegia de cárcere

não só!

fosse helena ou alice
por homero, gerardo ou alencar
seria todo de mello
e ao mourão que separa uma invenção
dançaríamos joyce e eu

meu palimpsesto é mais uma poética idiota!


estático
completo
fechado
sou que não nasci

espaço de romance é memória não escrita
e lírica continua em guardanapo amassado

o que antes
epos
derrama no devir

Nenhum comentário:

Postar um comentário