segunda-feira, 14 de junho de 2010

dane-se


recrio crenças
faço do concreto
minha utopia presente

encontrei vestido longo
vestido de pele morena
e cabelos dispersos
de cuja tarde ouvi:
"educo para a revolução!"

um laço revolucionário desfez
em cólicas de oprimidos
eram olhos banhados em águas de mina (divina!)


insensato sou
diante da luta
(mas me atrevo a participar!)
e regresso ao meu quarto de quatro anos
com a velha timidez
porque sem álcool sou fóssil de anos

hoje voltei
mas disse "dane-se!" à loucura
e não emudeci

só, sou vinho de hoje
uvas podres sem fermentação

tinto, sou todos
pintado pelo sangue da classe
protestos que jamais serão em vão

Nenhum comentário:

Postar um comentário