domingo, 6 de fevereiro de 2011

E do meio do mundo prostituto só amores guardei ao meu charuto de Rubem Fonseca

"E eu dizia para ela que entre os requisitos (para ser escritor) devia ser incluída a coragem, a coragem de fracassar, a coragem de dizer aquilo que não pode ser dito, não importa a natureza do impedimento, a coragem de dizer aquilo que ninguém quer dizer, de dizer aquilo que ninguém quer ouvir - quem diz o que os outros querem ouvir, Mandrake, é a televisão, a coragem a que me refiro é a do Sade, que passou 27 anos de sua vida em asilos de loucos, Sade, que se manteve vivo duzentos anos não pelo estilo, mas pela sua coragem. Enfim, coragem de recusar todos os prêmios, ou melhor ainda, a coragem de não querer merecer prêmios, e o pior de todos os prêmios é a consagração em vida."

E do meio do mundo prostituto só amores guardei ao meu charuto de Rubem Fonseca

Nenhum comentário:

Postar um comentário