domingo, 6 de fevereiro de 2011

O Poema do Frade de Álvares de Azevedo

Lancei-me ao desviver: gastei inteira/ Na insânia das paixões a minha vida./ Qual da escuma o fervor na cachoeira/ Quebrei os sonhos meus n' alma descrida./ E do meio do mundo prostituto/ Só amores guardei ao meu charuto!/ E que viva o fumar que preludia/ As visões da cabeça perfumada!/ E que viva o charuto regalia!/ Viva a trêmula nuvem azulada,/ Onde s'embala a virgem vaporosa!/ Viva a fumaça lânguida e cheirosa!/ Cante o bardo febril e macilento/ Hinos de sangue ao poviléu corrupto,/ Embriague-se na dor do pensamento,/ Cubra a fronte de pó e traje luto:/ Que eu minha harpa votei ao esquecimento/ Só peço inspiração ao meu charuto!



O Poema do Frade de Álvares de Azevedo

2 comentários:

  1. passei meia hora procurando esse poema. Obrigado

    ResponderExcluir
  2. Beleza de link pra Brasiliana.
    Obrigado.

    ResponderExcluir