domingo, 3 de abril de 2011

uma grande piada sem sabor

Fui embalado por ditos de outrora
tortuei-me numa adolescência dezesseis
aberta de úlceras e manifestações de rua

Certa feita, deitei-me numa cama alheia
e ouvi que vivia em desejos de outrem
tentaram, mas não me veio boas novas

Noutra festa, percebi trapos em mim
engraçado, ninei meus desafetos
insuportavelmente durmi numa ternura quase inútil

afundo em meus abismos
faço daqui um espetáculo de humor
entre-tanto-dessabor

e vejo, ainda mais nítida
a necessidade de esbravejar
tudo que não se silencia
tudo e só, rindo

Nenhum comentário:

Postar um comentário