quarta-feira, 20 de julho de 2011

Merda e flor. Poetador

Merda e flor. Poetador

Nu
o poeta vai
meio alamedas, bosques e buritis

uma flor desabrocha
enquanto o choro d'orvalho cai
sobre o estrume

uma, duas
uma das duas
palavras
é a poesia que se esvai

Nenhum comentário:

Postar um comentário