terça-feira, 19 de julho de 2011

poema tântrico

vou parir do peito
um canto ininterrupto
renascido dos gravetos 
das cinzas de tirania
dos seios de amor
o todo magnífico
poema trântrico de mim

Nenhum comentário:

Postar um comentário