quinta-feira, 1 de setembro de 2011

mundo sem macacos



A primeira máquina
salta adiante a peça frouxa
da engrenagem baiana
(roda a baiana!)




A segunda,
sem óleo,
filha postiça,
não consegue girar a roldana.

Numa mesma indústria,
uma engrenagem encontra-se com a outra.
A segunda torna-se objeto,
enquanto a primeira esbanja óleo e dentes tortos.


Nenhum comentário:

Postar um comentário