terça-feira, 29 de novembro de 2011

celta preto também pega no tranco

Sinceramente, isso não é um poema
pode ser uma carta desgraçada
que provavelmente não ficará nesse blog.






escuta:

o amor é essa haste verde colhida em greve
numa casa alheia. Entendeu?

escuta:

virei o carro numa esquina esburacada
e o motor entrou em erupção. Entendeu?

não terminei:

celta preto também pega no tranco!




Ao carro preto (que não é cinza) de quem me conhece como ninguém

Um comentário: