sexta-feira, 25 de agosto de 2017

amor ao fracasso

Vamos todos assistir ao nosso fracasso
Esse dedo podre (e longo) que aponta ao aquífero de coca, a coca preta de açúcar branco, ainda cairá...
No mundo vampirazado, repleto de úlceras herdadas, abertas, nossos filhos sobreviverão?!
Então, vamos celebrar o fracasso
Dos vales
De São Francisco
Dos montes, dos belos montes
Deixemos, pois, essa mão apodrecer Aplaudamos (com as mãos que ainda restam)
os dedos macabros ruírem
E as minas se acabarem
Num cabaré, quem sabe!,
Ou em versos
(Esse alimento dos desavisados!)
Porque de Mariana
Mesmo
Ninguém se lembrará!

domingo, 26 de fevereiro de 2017

monstro da desconfiança

A confiança alimenta a vida. É simples - grita a garotinha! Já o monstro da desconfiança, aliado perpétuo do espectro da segurança, destrói qualquer tentativa de amizade. É muro alto, papai! São os altos planos de isolamento. Mas de tudo ainda fica uma centelha: o sêmen da amizade ainda pode evitar uma castração compulsória.